curso - 6 fotógrafos

05.06.2017

Andreas Heiniger
Antonio Saggese
Cristiano Mascaro
Gal Oppido
Renata Falzoni
Tommaso Protti
__________________
Com curadoria de Abilio Guerra e Giovanni Pirelli, a iniciativa pretende apresentar a fotografia como fato artístico e cultural, abordando sua origem e constituição como arte, profissão e campo do conhecimento, focando alguns aspectos específicos, diretamente relacionados à prática profissional e artística dos professores convidados. Assim, a fotografia será discutida em sua especificidade como suporte – como técnica, manipulação, expressão, reprodução etc. – e em suas diversas formas de aplicação e difusão – exposição, livro, editorial, jornalismo, publicidade etc. Mesmo abordando aspectos técnicos, o enfoque do curso será fundamentalmente cultural e artístico.

O curso se estrutura em seis encontros de 3 horas, num total de 18h, com seis diferentes professores/palestrantes. O público alvo é variado – alunos de cursos de graduação e pós nas áreas da cultura, jovens fotógrafos e iniciantes em áreas diversas da arte e da cultura, interessados de todas as idades etc. Será necessário um mínimo de 23 alunos inscritos no curso para viabilizar economicamente sua realização.

No final da série de conferências, os alunos que participarem de ao menos cinco seções receberão um atestado de participação no curso emitido pelos parceiros do Marieta (Vitruvius, Cactus, Irmãos Guerra). Será possível a participação avulsa em uma, duas ou três seções, sem direito ao atestado de participação no curso.

O curso é voltado para fotógrafos amadores ou iniciantes, amantes da fotografia e demais interessados na fotografia como arte e comunicação.
__________________
sábados
06.05 a 10.06
10h ás 13h

Cristiano Mascaro / evolução da fotografia da cidade
Renata Falzoni / fotografia de campo
Andreas Heiniger / publicidade e editoriais
Antonio Saggese / fotografar, manipular, imprimir
Gal Oppido / cidade underground
Tommaso Protti / fotojornalismo

curso integral 
R$ 400,00 (inteiro)
R$ 320,00 (estudantes)

aula avulsa
R$ 100,00 (inteiro)
R$ 80,00 (estudantes)
_____________________
informações e inscrições
contato@projetomarieta.com.br
_____________________
Sobre os palestrantes:

Andreas Heiniger (Berna, Suíça, 1949) formou-se em Artes Visuais na Universidade de Berna, Suíça. Começou a trabalhar como fotógrafo profissional em 1970. Fixou residência em São Paulo, em 1974. Desde 1988 trabalha como diretor de filmes comerciais na área de propaganda institucional e publicidade. Atua como fotógrafo independente e vem se dedicando nos últimos cinco anos ao projeto pessoal – Vaqueiros – na busca do registro de uma profissão quase extinta. Recebeu diversos prêmios ao longo de sua trajetória como fotógrafo publicitário, entre os quais, Medalha de Ouro em várias edições do Prêmio Clube dos Diretores de Arte do Brasil; Prêmio Leão de Ouro, Cannes, 1984; Prêmio Profissional do Ano, Rede Globo, Rio de Janeiro, 1991; Clio Award, Nova York, 2005; Prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia, 2005, São Paulo; e Fotógrafo do Ano, Associação Brasileira de Propaganda, Rio de Janeiro, 2005.

Antonio Saggese (São Paulo, 1950) é arquiteto pela FAU USP, pós-graduação em fotografia na Faap, mestre e doutor em Filosofia (Estética) pela FFLCH-USP. Dedica-se à fotografia desde 1969. Bolsista do governo italiano, fez estágios e cursos de aperfeiçoamento em Milão entre 1983-1984. Professor do bacharelado e pós-graduação em fotografia do Senac, e professor convidado da ECA USP. Seus trabalhos foram expostos no MASP, MIS/SP, MAM/SP, Pinacoteca do Estado, Instituto Tomie Ohtake, Sesc Pompéia, Bienal de SP, MAM/RJ, FUNARTE/RJ. Participou do primeiro Arte/cidade e da primeira seleção da Coleção Pirelli MASP. Tem imagens na Coleção do MASP, MAM-SP, MAM-RJ, MIS-SP, Museu da Fotografia de Curitiba, Coleção Joaquim Paiva, além de coleções particulares. Foi ganhador da Bolsa Vitae (1992) e dos prêmios Marc Ferrez (1986, 1996 e 2014), APCA (Melhor Exposição de Fotografia 1988) e I Quadrienal de Fotografia do MAM-SP. Foi tema do livro Antonio Saggesse, com texto de Maurício Lissovsky (Cosac Naify, 2005).

Cristiano Mascaro (Catanduva, 1944) é fotógrafo, arquiteto e professor. Formado em arquitetura pela FAU USP, onde se torna mestre e doutor (1986 e 1995). Inicia a carreira fotográfica em 1968, quando é convidado a participar da primeira equipe da revista Veja, em que permanece por quatro anos. Foi professor de fotojornalismo da Enfoco Escola de Fotografia (1972-1975), dirigiu o Laboratório de Recursos Áudio-Visuais da FAU USP (1974-1988) e lecionou comunicação visual na FAU Santos (1976-1986). Um dos mais importantes fotógrafos do país, em especial de sua arquitetura, ganhou diversas distinções, dentre elas o Prêmio Internacional de Fotografia Eugène Atget (1984) e a Bolsa Vitae de Fotografia (1989). É autor dos livros A Cidade (1979); Cristiano Mascaro, as melhores fotos (1989); Luzes da Cidade (1996), São Paulo (2000), O patrimônio construído – as 100 mais belas edificações do Brasil (2003 e 2016), Viagem a Tóquio (2010) e Portugal (2016) entre outros. Em 2006, participa como arquiteto homenageado da 6ª Bienal Internacional de Arquitetura e Design, com a mostra O Brasil em X, em Y, em Z.

Gal Oppido (São Paulo, 1952) é fotografo, arquiteto, músico e pintor. Formado em 1975 em arquitetura pela FAU USP, no ano seguinte iniciou seu trabalho com fotografias relacionadas ao desenho. Entre 1979 e 1990 foi professor de linguagem visual na Pontifica Universidade Católica de Campinas. Durante os anos 1970 e 1980, atuou como baterista no Grupo Rumo, banda integrante do movimento Vanguarda Paulista. Desde o início dos anos 1990 trabalha como fotógrafo independente, atuando nas áreas de artes cênicas, arquitetura, editorial, publicidade e desenvolve trabalhos de expressão corporal em fotografia. Desde 2001 ministra cursos de fotografia no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Realizou em 2011, entre outras, as exposições Antífona, no Museu Afro Brasil e São Paulo Mon Amour, na Maison de Metallos, em Paris. Recebeu o premio Associação Paulista de Críticos de Arte, como melhor fotógrafo, pelo conjunto da obra, em 1991.

Renata Falzoni (São Paulo, 1953), arquiteta e jornalista, começou a fotografar aos 8 anos de idade; a brincadeira virou um hobby levado a sério durante a adolescência e profissão no final da década de 1970, logo após ter se formado arquiteta na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie em 1977. Depois de ter colaborado com os principais jornais e revistas do Brasil – Folha de S. Paulo, Isto É, Placar, Playboy, entre outros – passou a focar seu trabalho em esportes de aventura, expedições e fotografia outdoor, tendo veiculado os livros “Ninhal” e a “A História da Mineração no Brasil e Mundo” em 1988. Na segunda metade da década de 1990, passou a filmar para os canais 21 e ESPN, sendo que foi importante precursora da linguagem de videorreportagem no Brasil. Renata Falzoni pedala há 40 anos como meio de transporte, é cicloativista e seu nome está associado a diversas conquistas na área da mobilidade sustentável. Atualmente dirige o canal e o portal Bike é Legal, é colaboradora da TV Gazeta e comentarista da Rádio CBN.

Tommaso Protti (Mantova, 1986), fotógrafo italiano, reside em São Paulo. Nascido em Mantova, cresceu em Roma, onde estudou Ciências Políticas e Relações Internacionais na Universidade de Roma. Em 2010, iniciou trabalhos com fotografia e, em 2011, mudou-se para Londres para fazer mestrado em fotojornalismo e fotografia documental no Londres College of Communication. Desde então tem trabalhado como fotógrafo freelancer, com fotos publicadas no The New York Times, Time, National Geographic, The New Yorker, The Guardian e Le Monde. Atualmente é membro da agência brasileira Angustia e trabalha regularmente para publicações internacionais, clientes corporativos e organizações diversas, como as Nações Unidas. Como pesquisador autônomo, tem documentado histórias em países diversos, como o conflito curdo-turco no sudeste da Turquia e a violência no norte do Brasil.

 

Please reload