Curso sobre curadoria - 5ª Edição

de 17.04 a 08.05
sábados
10h-12h30

 

17 Abril // Lisette Lagnado

24 Abril // Raphael Fonseca

01 Maio // Adélia Borges

08 Maio // Diane Lima
_____________
Conceito

 

A série sobre curadoria do projeto Marieta, organizada por Abilio Guerra e Giovanni Pirelli, é uma iniciativa que entende curadoria de forma ampliada: o trabalho de atribuição de significados para a produção cultural, uma prática que se predispõe a investigar o mundo e a sociedade pressupondo arranjos, aproximações, recortes, deslizamentos, confrontos, diálogos, dissonâncias entre objetos e procedimentos dispersos pelo campo social.

 

Assim, a curadoria não é vista aqui apenas como organização de exposições, mas projetos curatoriais que envolvem pessoas, discussões, edições, situações.

 

Adélia, Diane, Lisette e Raphael, com experiências e vivências distintas, enfrentarão aspectos diversos da área de curadoria contemporânea. As apresentações abordarão questões teóricas, técnicas e artísticas, sempre amparadas por exemplos concretos e tendo como pauta as práticas das profissionais. 

Ao final das apresentações sempre há uma conversa aberta com o público.

_____________

Formato

 

O curso conta com quatro encontros virtuais de 2 horas e meia cada, totalizando 10 horas. 

Será necessário um mínimo de 14 pessoas inscritas para o curso se viabilizar economicamente.

Ao final da série de conferências, as pessoas que participarem de ao menos quatro seções receberão um atestado de participação no curso, emitido pelo Marieta. 

É possível a participação avulsa em uma ou mais seções.

 

_____________

Cronograma

 

A aulas ocorrerão virtualmente sempre aos sábados, das 10h às 12h30, na sala virtual no Zoom do Marieta

_____________

Investimento

 

Os valores do aporte para o curso são os seguintes:

  • curso completo: R$ 450,00 / reduzida R$ 360,00 

  • palestra individual: R$ 150,00

 

Sempre reservamos 20% de bolsas em nossos cursos. Se você não puder pagar o valor sugerido, por favor entre em contato pelo email bolsas@projetomarieta.com.br com seu curriculum e uma breve carta de intenções para pleitear uma bolsa integral.

O valor reduzido é reservado para estudantes, professores da rede pública, e todas aquelas pessoas que querem contribuir para a realização dos encontros, mas não podem pagar o valor ideal.  

 

_____________

Sobre os palestrantes

 

Adélia Borges é jornalista, pesquisadora, historiadora e crítica de design. Suas pesquisas balizam várias produções, tais como exposições, livros, artigos, reportagens e documentários. Inicialmente se voltou para o tema do design dos equipamentos para o habitat. Aos poucos as áreas de interesse se expandiram para a relação do design com os campos do artesanato, identidade cultural, inovação social, sustentabilidade e desenvolvimento territorial. Entre 2003 e 2007 foi diretora do Museu da Casa Brasileira, em São Paulo (SP). De 1998 a 2014 foi professora de história do design na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP). Jornalista formada pela Universidade de São Paulo (ECA/USP) em 1973, é colaboradora de várias publicações no Brasil e no exterior, com textos publicados em sete línguas. Palestrante frequente, já se apresentou em 22 países. Desde 1994 fez a organização e/ ou curadoria de mais de 40 exposições no Brasil e também na Alemanha, Argentina, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Itália e Japão. É curadora-adjunta do MASP para o MASP Loja. Em março de 2021 recebeu o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

 

Diane Lima Diane Lima é escritora, curadora independente e uma das principais vozes feministas negras na arte contemporânea brasileira. Vivendo entre São Paulo e Salvador, atualmente é co-curadora de Frestas - 3ª Trienal de Artes do SESC-SP e das exposições monográficas do artista Paulo Nazareth na Pivô em São Paulo e de Stella do Patrocínio no Museu Bispo do Rosário no Rio de Janeiro.Seus projetos anteriores incluem o programa de educação radical AfroTranscendence em 2015; a curadoria do programa Diálogos Ausentes no Itaú Cultural entre 2016 e 2017; o programa de residência PlusAfroT na Villa Waldberta na Alemanha e a curadoria do Valongo Festival Internacional da Imagem em 2018 e 2019. Seus textos, tanto críticos quanto autobiográficos, documentam a história de uma estética radical negra contemporânea a partir de uma prática curatorial em perspectiva decolonial e feminista negra nas Américas. Organizou o livro “Textos para ler em voz alta” (Brook Éditions - no prelo) e integrou a curadoria de 20 em 2020 - Os artistas da próxima década - América Latina (Act.).

 

Lisette Lagnado é pesquisadora, crítica de arte, e curadora independente interessada em estratégias de colaboração com sociólogos e arquitetos no espaço público. Quando jovem, ela nunca entendeu por que algumas pessoas viviam na rua e passava seu tempo conversando com elas. Ela foi curadora-chefe da 27ª Bienal de São Paulo “Como Viver Junto” (2006) e curadora de “Drifts and Derivations: Experiences, journeys and morphologies” junto com María Berríos (Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid, 2010). Seus projetos recentes incluem “Rivane Neuenschwander: The Name of Fear” (Museu de Arte do Rio – MAR, Rio de Janeiro, 2017) e “León Ferrari, For a World with No Hell” (Galeria Nara Roesler, São Paulo e Nova York, 2018). Em 2014, Lagnado tornou-se diretora e Curadora de Programas Públicos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage no Rio de Janeiro, posição mantida até 2017.

Lagnado foi coeditora das revistas “Arte em São Paulo” (1981–89) e “Trópico” (2001–11), e contribuiu em catálogos de exibições . Em 1993, junto com amigos e família do artista José Leonilson, ela fundou o Projeto Leonilson na cidade de São Paulo; ela também foi curadora de sua primeira retrospectiva, “Leonilson: são tantas as verdades” (Galeria de Arte do SESI, São Paulo, 1995). Lagnado coordenou o Programa Hélio Oiticica, um arquivo online de seus escritos  (Instituto Itaú Cultural, 1999–2002). Atualmente, Lagnado é membro da Associação Cultural Videobrasil, São Paulo.

 

Raphael Fonseca é pesquisador da interseção entre curadoria, história da arte, crítica e educação. Doutor em Crítica e História da Arte pela UERJ. Mestre em História da Arte pela UNICAMP. 

No momento prepara a exposição “Sweat”, a ser aberta em 2021, na Haus der Kunst (Munique, Alemanha), com co-curadoria de Anna Schneider. É curador, junto com Renée Akitelek Mboya, da 22ª edição da Bienal_Sesc_Videobrasil, em 2023.

Recebeu o Prêmio Marcantonio Vilaça de curadoria (2015) e o prêmio de curadoria do Centro Cultural São Paulo (2017). Curador residente do Institute Contemporary Arts Singapore (2019) e da Manchester School of Art (2016). Entre suas exposições, destaque para “Vaivém” (CCBB SP, DF, RJ e MG, 2019-2020); “Lost and found” (ICA Singapore, 2019); “Riposatevi - Lucio Costa” (MAC Niterói, 2018); “A vida renasce, sempre - Sonia Gomes” (MAC Niterói, 2018); “Dorminhocos – Pierre Verger” (Caixa Cultural Rio de Janeiro, 2018). Integrante do comitê curatorial de seleção da Bienal Videobrasil (2019). Jurado do Prêmio Pipa (Brasil, 2019) e do Prêmio Mariano Aguilera (Quito, Equador, 2017). Participante do comitê de indicação do Prêmio Pipa (2018 e 2020). Autor convidado para o catálogo da 32a Bienal de São Paulo (2016). Tem textos publicados em livros, catálogos e periódicos especializados como a ArtNexus, Terremoto, ArtReview, Folha de São Paulo, dentre outros.

Curso sobre curadoria - 5ª Edição

R$ 450,00Preço
Valor