DO QUILOMBO À FAVELA, DA FAVELA AO PRINCIPADO

 

 

 

 

 

 

 

 

com Fabrícia Miranda

de 30.03 a 01.04

quarta, quinta e sexta 18h30 - 20h

online via Zoom

_____

sobre

A série de encontros proposta pela roteirista e pesquisadora Fabrícia Miranda compartilha uma visão mais ampla, complexa e verossímil das favelas brasileiras (a partir da experiência carioca) com o fim de contribuir para construção de narrativas (roteiros de livros, filmes, novelas, séries) que valorizem essa cultura complexa, viva e pulsante, tão profundamente central à sociedade brasileira.

 

Fabrícia parte da sua experiência como agente social, moradora e líder comunitária da Favela do Arará, do Complexo de Manguinhos - objeto de estudo deste curso - para propor uma análise crítica e um olhar de “dentro para dentro” sobre as diversas realidades existentes nas favelas, levando em consideração a cultura, a religião, a política e as particularidades das comunidades.

 

Apoiando-se na análise crítica de três documentários brasileiros  icônicos, produzidos nos anos 1980, 1990 e 2010, o curso  aborda e descreve o funcionamento das favelas cariocas desde o seu surgimento até os dias atuais, destacando as mudanças que ocorreram nas favelas ao longo das décadas de 1980 e 1990 do século XX e apontando para a continuidade das transformações que vêm ocorrendo no século XXI.

_____

cronograma

As aulas virtuais ocorrerão nos dias 30 e 31 de março e 01 de abril de 2022, das 18h30 às 20h30, na sala virtual no Zoom do Marieta.

 

 

30 de março de 2022 | Do Quilombo à Favela

 

Como surgiram as primeiras favelas no século XIX, após a suposta "abolição da escravatura"? Quais as principais mudanças e transformações que ocorreram ao longo do século XX? Qual o impacto da ditadura militar no surgimento das facções nas favelas? O primeiro encontro se debruça sobre o início da evolução das favelas no Brasil, a partir dos processos de aquilombamento e da urbanização desregulada desses territórios, da convivência desarmônica entre as três principais religiões, do desenvolvimento das lutas políticas e da subsequente intervenção da polícia militarizada brasileira. 

Será analisado o documentário "Santa Marta – duas semanas no morro” (1987), do cineasta e documentarista Eduardo Coutinho, uma ruptura na romantização das favelas no audiovisual.

 

31 de março de 2022 | Cidade Partida - Asfalto vs. Favela

 

Dos anos 1990 à virada do milênio: a chegada das armas de grosso calibre nas mãos dos adolescentes cerceados pelo tráfico e abandonados pela sociedade, em contradição com a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em 1990. A ampliação simbólica e física da separação entre "asfalto" e favela, propiciando o fortalecimento do papel do Comando Vermelho na assistência à população favelada e o nascimento da milícia com a Liga da Justiça.

Reflexão sobre o documentário “Notícias de uma guerra particular” (1999) de João Moreira Salles e Katia Lund.

01 de abril de 2022 | Da Favela ao Principado - Muita fé em Deus!

 

No terceiro e último encontro serão abordadas as mudanças que ocorreram nas favelas no início do século XXI, com a  explosão do movimento Neopentecostal e seu impacto social, político e ideológico em contraposição à realização da primeira Parada Gay na favela da Rocinha em 2010 e à massificação do movimento cultural Funk. O intensificar da guerra entre Comando Vermelho e milícias pela disputa dos territórios e o consequente aumento de mortes de inocentes pelas ditas “vidas perdidas”. 

Análise do documentário “Favela Gay” (2014) do diretor e documentarista Rodrigo Felha.
 

_____

sobre a palestrante

 

Fabrícia Miranda é pesquisadora e roteirista, pós-graduada em Roteiro na Universidade Veiga de Almeida (UVA). Participou, entre maio de 2018 e outubro de 2019, como bolsista concursada com 100% de bolsa do Curso em Roteiro para Cinema, TV e Multiplataformas da UVA - Tijuca  e, entre abril de 2019 e março de 2021, foi a 1ª moradora de favela com 100% de bolsa do curso de Séries da Escola de Roteiraria. Em 2017, participou do Primeiro Curso de Roteiro Laboratório Franco Brasileiro pela Varilux para Cinema e do Laboratório Audiovisual Ação da Cidadania pela ONG Núcleo de Ação Cidadania. Atualmente faz parte do grupo de desenvolvimento de roteiro do Centro Cultural Marieta.

_______

para quem 

 

Todo mundo é bem-vinde, mas o curso é pensado especialmente para roteiristas, dramaturgues, escritores, pesquisadores.

 

Nesse momento em que é cada vez mais urgente a necessidade de abrir espaços para outras narrativas - as novas, as adormecidas e as que foram por muito tempo silenciadas - o curso “Do Quilombo à Favela; da Favela ao Principado” surge como uma ferramenta para o enriquecimento da dramaturgia de estórias sobre a favela, superando os romantismos e preconceitos que comumente acompanham a representação desses territórios. 

O curso é uma oportunidade para aquelas pessoas que querem ampliar e aprofundar seus conhecimentos sobre o mundo das favelas brasileiras, analisando sua evolução histórica desde os primeiros quilombos até seu desenvolvimento recente, rompendo com as imagens estereotipadas ou romantizadas da vida nessas comunidades. 

 

Para além dos propósitos de desenvolvimento crítico das narrativas brasileiras, o conhecimento transmitido nos três encontros se propõe como uma oportunidade para discutir a sociedade em sua pluralidade, evidenciando o protagonismo da história das favelas na construção do Brasil atual, com todas as suas contradições, seus silenciamentos e mistificações.

 

_____

formato

O curso conta com três encontros virtuais de 2 horas cada, totalizando 6 horas. 

Ao final da série de conferências, as pessoas que participarem receberão um atestado de participação no curso, emitido pelo Marieta. 

No Marieta todas as aulas virtuais acontecem ao vivo (aulas síncronas), com interação constante entre docentes e alunes.

 

Para participantes que, por ventura, perderem um ou mais encontros as aulas ficarão gravadas e disponibilizadas online para serem assistidas em até 10 dias após o fim do curso.

_____

investimento

Valor ideal

R$250,00*

Valor Reduzido

R$200,00*

*podendo parcelar em até 4x sem juros no cartão de crédito \o/

 

O curso Do Quilombo à Favela; da Favela ao Principado é um projeto realizado inteiramente de maneira auto-organizada, com recursos próprios e em colaboração.

As receitas recolhidas com as inscrições cobrem os custos de manutenção das ferramentas digitais, o trabalho da equipe de produção, curadoria e palestrante e contribui para o fortalecimento da pesquisa de Fabrícia e do centro cultural Marieta.

Acreditamos que a valorização da vida cultural da sociedade seja de responsabilidade de todas as pessoas, cada uma contribuindo segundo as suas possibilidades.

A contribuição ideal corresponde ao valor cheio que consideramos adequado para participar. 

O valor reduzido é reservado para estudantes, professores da rede pública, e todas aquelas pessoas que querem contribuir para a realização dos encontros, mas não podem pagar o valor inteiro. 

Reservamos 20% das vagas do curso para bolsistas. Na escolha das candidaturas, daremos prioridade para pessoas negras; indígenas; LGBTQIA+; periféricas; em situação de vulnerabilidade social. No formulário de inscrição, temos uma seção reservada para quem quiser pleitear uma bolsa. 

 

____

links para inscrições

Para participar do curso, faça sua inscrição aqui!

Para pedidos de bolsas, envie sua solicitação através deste formulário até o dia 20.03.2022 

 

_____

curso sobre Do Quilombo à Favela; do Favela ao Principado 

 

30 e 31.03 e 01.04

18h30 às 20h30 

 

Sala Zoom Marieta Virtual

 

 

_____

contato

 contato@projetomarieta.com.br 

 +55 11 99665-7243

 

Inscrição aqui

 

Pedidos de bolsas

 

Marieta

@projetomarieta 

www.projetomarieta.com.br

Dúvidas? Mande um zap!

_CED0452.jpg

 Informações do Curso

Período

de 30.03 à 01.04.2022

Quando

quarta, quinta e sexta

Horário

18h30 às 20h30

Programa

3 dias

2h/encontro

Valor

R$ 250,00 ideal

R$ 200,00 reduzida

Inscrições

neste link

Pedidos de bolsas

neste link (até 20.03)

Dúvidas? Mande um zap!